TRÊS LAGOAS

TECNOLOGIA

Netflix ganha 5,9 mi de usuários com fim do compartilhamento de senha

Publicados

em

Netflix vê aumento no número de assinantes
Unsplash

Netflix vê aumento no número de assinantes

A Netflix ganhou 5,9 milhões de usuários pagantes no trimestre entre abril e junho deste ano, resultado que a empresa credita, em maior parte, ao plano para acabar com o compartilhamento de senhas na plataforma.

O programa de compartilhamento pago da Netflix foi lançado em 100 países em maio, incluindo o Brasil. De acordo com a empresa, esses mercados representam 80% da sua base de receita.

“A receita em cada região agora é maior do que antes do lançamento, com inscrições já superando cancelamentos”, afirmou a Netflix em sua divulgação de resultados trimestrais nesta quarta-feira (19). Diante do sucesso, a empresa anunciou que está ampliando o programa para os países restantes.

No trimestre, o faturamento da Netflix foi de US$ 8,2 bilhões, enquanto o lucro operacional foi de US$ 1,8 bilhão.

“A maior parte do crescimento de nossa receita este ano vem do crescimento em volume por meio de novas assinaturas pagas, e isso é amplamente impulsionado por nosso lançamento de compartilhamento pago. É o nosso principal acelerador de receita no ano e esperamos que esse impacto aumente ao longo de vários trimestres”, afirmou Spencer Adam Neumann, diretor financeiro da Netflix, durante conferência de resultados.

Além da implementação do compartilhamento pago, a Netflix também está investindo em outras mudanças nas assinaturas. Em alguns países, a empresa encerrou o plano Básico, forçando os usuários a migrarem para a versão com anúncios ou para um plano mais caro. Por enquanto, essa medida não atinge o Brasil.

Fonte: Tecnologia

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

TECNOLOGIA

Google testa inteligência artificial para escrever notícias; entenda

Publicados

em

Google testa inteligência artificial para escrever notícias; confira
Unsplash

Google testa inteligência artificial para escrever notícias; confira

O Google está atualmente desenvolvendo uma ferramenta de IA generativa, projetada para auxiliar jornalistas em seu trabalho. Denominada “Genesis”, a plataforma tem como objetivo absorver informações detalhadas sobre eventos recentes e produzir notícias.

Segundo uma reportagem do The New York Times, o Google fez uma apresentação da ferramenta Genesis para executivos de alguns dos principais jornais dos Estados Unidos, incluindo o próprio NYT, o The Washington Post e a News Corp, empresa detentora do The Wall Street Journal. A apresentação revelou detalhes sobre o funcionamento da ferramenta de IA generativa voltada para auxiliar jornalistas em suas atividades.

Representante do Google, Jean Crider afirmou que “estamos em estágios iniciais de ideias para fornecer ferramentas de IA que auxiliem os jornalistas em seus trabalhos”, enfatizando a intenção de estabelecer parcerias com editores de notícias no desenvolvimento da iniciativa.

De acordo com pessoas que estiveram presentes na apresentação, o Google tem a convicção de que a IA poderá atuar como uma assistente no trabalho de jornalistas, automatizando o processo de produção de notícias.

Contudo, nem todos ficaram completamente convencidos com a abordagem do Google. Alguns executivos, que preferiram manter o anonimato, revelaram ao New York Times que a proposta da IA desvaloriza os esforços dos profissionais da área em termos de apuração e produção de notícias.

Atualmente, alguns veículos de comunicação já estão empregando Inteligências Artificiais generativas para criar conteúdo, porém, as publicações de notícias têm sido cautelosas em sua adoção, principalmente devido a preocupações relacionadas à tendência da tecnologia de gerar informações factualmente incorretas.

Pesquisa feita por cientistas que atuam em Stanford e Berkeley revelou que os modelos de linguagem desenvolvidos pela OpenAI apresentaram alterações significativas em seu desempenho ao longo de alguns meses.

Os pesquisadores constataram que a precisão das respostas geradas pareceu diminuir com o passar do tempo, corroborando os relatos de usuários sobre as versões mais recentes do software apresentando uma aparente “queda de inteligência”. Usuários têm relatado há mais de um mês a percepção de uma queda na qualidade da plataforma.

O Google liberou semana passada o acesso ao Bard no Brasil . A ferramenta, que concorre diretamente com o ChatGPT, está disponível em 40 idiomas, incluindo o português brasileiro.

O Bard funciona de forma bastante similar ao ChatGPT, conseguindo responder perguntas, resumir textos, dar ideias sobre diversos assuntos, escrever e-mails e muito mais.

Fonte: Tecnologia

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

TRÊS LAGOAS

POLICIAL

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO DO SUL

MAIS LIDAS DA SEMANA