TRÊS LAGOAS

BRASIL

Eleições na Argentina: 100 argentinos votaram em Brasília

Publicados

em

Votação ocorreu na Embaixada da Argentina na capital federal brasileira
Reprodução/ Facebook 19.11.2023

Votação ocorreu na Embaixada da Argentina na capital federal brasileira

A Embaixada da Argentina na capital federal brasileira informou que 100 argentinos votaram em Brasília — dos 365 aptos a votar — no segundo turno da eleição presidencial do país vizinho, que ocorreu neste domingo (19).

A presença superou os 94 votantes registrados no primeiro turno. A embaixada já esperava que não fosse atingido o número total de aptos, porque entre os habilitados para votar em Brasília estão, por exemplo, moradores argentinos de Manaus.

As urnas fecharam às 18h e a contagem dos votos já começou. A previsão é que o resultado saia a partir de 21h, segundo o secretário interino da Câmara Nacional Eleitoral, Sebastián Schimmel.

“Como certamente será uma eleição acirrada, teremos que esperar até que 98% dos votos tenham sido contados”, disse o secretário no sábado (18).


As urnas do segundo turno da eleição presidencial argentina fecharam às 18h deste domingo (19) e a contagem dos votos já começou. A previsão é que o resultado saia a partir de 21h , segundo o secretário interino da Câmara Nacional Eleitoral, Sebastián Schimmel.

“Como certamente será uma eleição acirrada, teremos que esperar até que 98% dos votos tenham sido contados”, disse o secretário no sábado (18).

A cientista política argentina Paola Zuban, explicou ao Último Segundo que no país até às 21h não se pode publicar dados sobre os votos: “A partir dessa hora, a Justiça Eleitoral começa a subir os dados no aplicativo Elecciones Argentina 2023, que se habilita a partir das 21h.”

Para a especialista, caso Sergio Massa, candidato de centro-esquerda e ministro da Economia, vença o pleito contra Javier Milei, candidato ultraliberalista, há chances de manifestações nas ruas.

“No nosso último estudo, 38% das pessoas disseram que ‘se Massa ganhar, é por fraude'”, afirmou ela. Confira a entrevista completa neste link.

Fonte: Nacional

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

BRASIL

Caminhadas em todo o país pedem o fim da violência contra mulheres

Publicados

em

Caminhadas em 30 cidades do Brasil e no exterior marcaram, neste domingo (10), o encerramento dos 21 dias de ativismo da Organização das Nações Unidas (ONU) pelo fim da violência contra mulheres e meninas.

No Brasil, o evento foi promovido pelo Grupo Mulheres do Brasil, liderado por Luiza Helena Trajano, para mobilizar parcerias de investimentos em prevenção e também garantir vidas livres de violência para as mulheres e crianças do sexo feminino.

O tema da campanha 2023 da ONU é: Una-se pelo Fim da Violência contra as Mulheres e Meninas.

No Rio de Janeiro, a caminhada ocorreu no Aterro do Flamengo, zona sul da cidade. Falando à Agência Brasil, a líder do Comitê de Combate à Violência contra Mulheres e Meninas do Grupo Mulheres do Brasil no Rio de Janeiro, Marilha Boldt, comemorou o engajamento das mulheres na luta, que incluiu delegadas, promotoras e juízas.

“Nós seguimos na luta diária pelo combate à violência contra mulheres e meninas. Nós não aceitamos que os feminicídios continuem, que as violências continuem existindo. Ainda temos muitas subnotificações. Precisamos melhorar e evoluir muito. O envolvimento de toda a sociedade aqui representada é muito importante para que nós possamos dar essa visibilidade para a causa”, disse Marilha, que também é fundadora do Projeto Superação Violência Doméstica.

Números alarmantes

Dados do Dossiê Mulher 2023, produzidos pelo Instituto de Segurança Pública (ISP), revelam que em 2022, no estado do Rio de Janeiro, 43.594 mulheres foram vítimas de violência psicológica, ou seja: a cada hora, 14 mulheres sofrem algum tipo de violência no estado. Mais de 125 mil mulheres foram vítimas de violência doméstica e familiar, 111 mulheres foram vítimas de feminicídio e 37.741 medidas protetivas de urgência foram concedidas.

Em relação aos dados nacionais, o boletim da Rede de Observatórios da Segurança mostra que uma mulher é vítima de violência a cada quatro horas. No ano passado, 1.437 mulheres morreram vítimas de feminicídio no país, sendo 61,1% delas negras.

“Os números são alarmantes e preocupantes e, na verdade, ainda temos muitas subnotificações, o que não representa toda a realidade brasileira. Por isso, ainda temos muito mais para avançar.”

Ela destaca que o desenvolvimento de políticas públicas é muito importante, porque muitas pessoas acreditam que violência contra a mulher é apenas agressão física quando, na verdade, a violência psicológica é muito anterior.

“Se ela conseguir perceber que está sofrendo violência psicológica, ela pode romper (esse ciclo) antes de chegar à violência física e, assim, a gente pode salvar mais vidas”.

Mobilização

Promovido com apoio das secretarias municipal e estadual da Mulher, a campanha deste ano quer mobilizar parcerias no Brasil para investimento na prevenção da violência.

A secretária municipal de Políticas e Promoção da Mulher do Rio de Janeiro, Joyce Trindade, destaca que a violência contra a mulher é uma dura realidade que afeta milhares de famílias.

“Se queremos transformar esse cenário, precisamos conscientizar a nossa população e abordar essa temática em todos os espaços. A luta pelo enfrentamento à violência precisa ser coletiva, pois cuidar de uma mulher é cuidar de toda sociedade”.

Para a secretária estadual da Mulher, Heloisa Aguiar, o ciclo da violência precisa ser rompido o mais rápido possível, ao primeiro sinal de agressividade do companheiro.

“Não espere as agressões agravarem. Fale com alguém da sua confiança, procure ajuda”.

Heloisa informa que os centros especializados de atendimento à mulher, os chamados CEAMs e CIAMs, têm apoio jurídico, psicológico e social para acolher e ajudar as mulheres em situações de violências, sejam elas física, moral, patrimonial.

Toda a rede de apoio do governo pode ser acessada pelo aplicativo gratuito Rede Mulher.

Fonte: EBC GERAL

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

TRÊS LAGOAS

POLICIAL

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO DO SUL

MAIS LIDAS DA SEMANA